Diretoria do Sinte faz pronunciamento à Sociedade

A sociedade potiguar vive um período de grandes irregularidades na Educação. Não pelo movimento grevista, mas pelas más condições em que se iniciou o ano letivo. Faltam professores, funcionários, merenda e até carteiras. Há prédios em condições precárias com instalações hidráulicas e elétricas expostas e alunos (as) correndo sérios riscos pelas infiltrações e pela possibilidade de choques nas paredes.
Os velhos bebedouros também denunciam o risco de contaminação na água consumida pelos estudantes. Há banheiros entupidos; bancos de alvenaria quebrados; cozinha com fogões inutilizados; locais insalubres, sem manutenção de limpeza e higienização. Atreladas a isso, existem as carências pedagógicas e didáticas inerentes à qualidade do ensino: as salas de aula estão super lotadas e faltam elementos básicos para se planejar uma aula.

O Governo não pode ficar alheio a esta situação. Não pode simplesmente dizer que os problemas foram causados por gestões passadas e ignorar as suas consequências. Já se passaram cinco meses desde que a atual administração assumiu o Estado e nem os Diários de Classe foram enviados aos professores. Isso, certamente, não é mais responsabilidade dos antigos governantes. É por essas razões que o Sinte se dirige à sociedade. É por isso que a categoria busca o Governo. Esse é apenas um apelo ao cumprimento de um Direito básico: Educação.

Esse diálogo entre trabalhadores, sociedade e Governo deve começar, já e deve contemplar, também, todas as condições adversas pelas quais os profissionais passam. Para tanto, vale lembrar que os salários da categoria são os mais baixos na estrutura do Governo estadual e esta é maior categoria trabalhista do Estado. É também a que presta o serviço mais importante à população.

A greve dos Trabalhadores em Educação é motivada pela falta de proposta do Governo à categoria, aos alunos e à sociedade. E ela se manterá até que alguma atitude seja tomada pelos governantes. Qualquer que seja o desfeche desta luta, o Sinte e a categoria que representa seguirão em frente firmes e coerentes em nome dos interesses da Educação.

Fonte: Sinte/RN

Regional de Mossoró define novas atividades para a greve

As atividades de greve para os Trabalhadores em Educação da Regional de Mossoró continuam. Desta vez, as mobilizações contemplarão, também, atividades culturais e esportivas. Veja a seguir o calendário e participe.

30/05 (Segunda-feira) – Ato público em Upanema a partir das 9h;

31/05 (Terça-feira) - Visita as escolas de Mossoró pela manhã e à tarde;

01/06 (Quarta-feira) - Plenária com diretores das Escolas na Sede Social do SINTE/RN, às 15h;

02/06 (Quinta-feira) - Plenária com os estudantes na Sede Social do Sinte, às 15h;

03/06 (Sexta-feira) - Tarde cultural e esportiva na Praça dos Desportos - Avenida Rio Branco, às 15h;

04/06 (Sábado) - A greve da educação na poesia popular. Evento será realizado na Praça Felipe Guerra, às 8h;

05/06 (Domingo) - Ato público em Baraúna. Será realizado na Praça do Mercado Central, às 8h;

09/06 (Quinta-feira) - Ato Político no Mossoró Cidade Junina. Acontecerá na Estação das Artes, às 18h;

10/06 (Sexta-feira) - Arraiá da Greve, na Sede Social do Sinte, às 20h.

Fonte:Sinte/RN

Não é Maldade, o nome disso é CIDADANIA



A matéria postada nesse blog sobre a merenda distribuída na creche em um dos seus dias de funcionamento está causando muita polêmica na cidade. Algumas pessoas "bem informadas" da cidade estão querendo distorcer o propósito verdadeiro da postagem, falando e tentando, mais uma vez, maquiar o que foi dito na matéria do blog. Uma das pessoas "bem informadas" da cidade chegou a dizer que a postagem era de "cunho maldoso". Pergunto a vocês, desde quando falar algo que aconteceu é maldade? Que eu saiba é no mínimo comentar um fato verdadeiro, e no máximo papel de todos os cidadãos e cidadãs que fazem parte de um Estado (do latim status,us: modo de estar, situação, condição), segundo o Dicionário Houaiss é datada do século XIII e designa "conjunto das instituições (governo, forças armadas, funcionalismo público etc.) que controlam e administram uma nação";

E pra quem achar que exercer sua cidadania é maldade, aí vai o significado que você pode encontrar completo aqui http://migre.me/4Fql6

O que é Cidadania?

Em direito, cidadania é a condição da pessoa natural que, como membro de um Estado, se acha no gozo dos direitos que lhe permitem participar da vida política. A cidadania é, portanto, o conjunto dos direitos políticos de que goza um indivíduo e que lhe permitem intervir na direção dos negócios públicos do Estado, participando de modo direto ou indireto na formação do governo e na sua administração, seja ao votar (direto), seja ao concorrer a cargo público (indireto).A nacionalidade é presuposto da cidadania - ser nacional de um Estado é condição primordial para o exercício dos direitos políticos. Entretanto, se todo cidadão é nacional de um Estado, nem todo nacional é cidadão - os indivíduos que não estejam investidos de direitos políticos podem ser nacionais de um Estado sem serem cidadãos. Os direitos políticos são regulados no Brasil pela Constituição Federal em seu art. 14, que estabelece como princípio da participação na vida política nacional o sufrágio universal*.

Fonte: http://pt.shvoong.com/humanities/475324-que-%C3%A9-cidadania/#ixzz1NkF8rdfe


Então meus amigos, pergunto a vocês: a matéria postada nesse blog que vocês pode ler aqui http://migre.me/4FpN3 é de cunho maldoso ou estou apenas exercendo um direito meu previsto em Constituição Federal, lei maior que rege esse Estado chamado Brasil?

Será que exercer cidadania DIRETAMENTE é apenas uma ação praticada obrigatoriamente por nós a cada 2 anos nos pleitos políticos? Ou é um ato em que NÓS CIDADÃOS (ÃS) desse estado devemos praticar diariamente?

Como o próprio significado de cidadania exposto acima revela, só não pode gozar dos direitos da cidadania os indivíduos que não estejam investidos dos direitos políticos, esse não é meu caso, pois só se perde os direitos políticos quando se comete um crime e essa cidadã aqui é idônea e paga seus impostos, ou seja, está em dia com o Estado. Vocês podem ler maiores detalhes sobre Perda ou Suspensão de direitos políticos aqui http://migre.me/4FqCs

O que mais me parece aqui, é uma tentativa de querer calar os cidadãos (ãs) de falar (até proibir de acessaram este blog de uma das instituições públicas daqui de Janduís fizeram). Que eu saiba o Regime de Ditadura Militar nesse Estado já se foi há muitos anos e com ele a CENSURA. Somos uma DEMOCRACIA (que significa analisando a palavra DEMO=Povo CRACIA=Governo), ou seja, governo em que o povo participa, é uma das coisas que os professores como eu tentam ensinar nas nossas escolas para os nossos alunos, ser cidadão atuante, que não seja mais um a compor a "massa de manobra" que é manobrada pelos políticos no pleito eleitoral a cada 2 anos, e pelo que vejo claramente é que a maioria da nossa população é manobrada diariamente.

Então minha gente, a matéria é de cunho maldoso? Eu mesma respondo: NÃO. É exercício da cidadania, um direito meu, seu e de todos nós!

A maioria dos políticos adora que a educação não funcione, que o povo fique alienado, mas nós professores(as)/cidadãos(ãs) ainda fazemos nossa parte, mesmo ganhando muito pouco.

Abaixo a ditadura, a maquiagem, a alienação e a censura. EXERÇA SUA CIDADANIA, É UM DIREITO SEU!

Chefe da Casa Civil admite recorde de arrecadação em audiência com diretoria do SINTE-RN


O Governo do Estado está prevendo um aumento de arrecadação do ICMS em R$ 80 milhões. A informação foi dada em primeira mão pelo chefe da Casa Civil, Paulo de Tarso, à diretoria do Sinte-RN, em audiência realizada nesta sexta(27). O valor deverá ser confirmado nos próximos dias, assim que for concluído o levantamento da arrecadação.

Para a coordenadora do Sinte-RN, Fátima Cardoso, a informação só confirma a tendência de crescimento financeiro detectada nos estudos encomendados pelo Sindicato ao Dieese. Mesmo assim, o Governo voltou a afirmar que não tem como atender a categoria sem que o estado tenha a devida sustentabilidade para permitir com segurança seus compromissos.
A diretoria do Sindicato rebateu as informações entregando um documento contendo dados do próprio Governo. O estudo foi elaborado pelo DIEESE e mostra o crescimento da receita corrente em 12% e das receitas tributárias em 10,1%. Além disso, ouve crescimento das transferências correntes em 15,4% e ainda do Fundo de Participação dos Municípios que cresceu 32%.

Diante dos números apresentados, o representante do Governo disse apenas que o DIEESE não havia calculado as despesas do Estado. “Não somos nós que temos que calcular despesas do Estado, até porque elas são baseadas em prioridades. O que estamos vendo é o Governo resistir em colocar a educação à frente das ações do Estado”, protesta Fátima.
Em sua fala o coordenador geral do Sinte-RN, José Teixeira ressaltou que o crescimento da arrecadação é sinal claro de que o governo tem tudo nas mãos para atender a categoria, no que foi complementado pela diretora de assuntos jurídicos, Vera Messias: “O Governo não terá mais a desculpa do limite prudencial determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal”.

Num clima de busca do entendimento, a direção do Sinte ratificou proposta de que o governo deve pagar aos funcionários da educação que ainda não receberam a 1ª parcela do Plano e deixou claro que se o Governo implantar o Piso Salarial na carreira, com extensão aos aposentados terá dado o maior passo para a retomada das negociações. O Sindicato defendeu também que seja apresentado o escalonamento da base até o topo da tabela proposta no Plano de Carreira em tramitação.
A audiência foi encerrada com a indicação de outra audiência até a sexta-feira da próxima semana. “Deixamos claro que independente disso vamos realizar a assembleia da categoria na terça-feira, dia 31.”, frisou Fátima.

Fonte: Sinte/RN

Ato de protesto reúne trabalhadores em educação de todo o Estado



Greve da Educação do Estado

Os trabalhadores em educação deram uma resposta às declarações da governadora de que a greve estava fragilizada. Na manhã de hoje, o Sinte-RN organizou um grande ato em defesa da educação pública. O primeiro momento do protesto foi no pátio do Ginásio Machadinho.

De lá, os manifestantes seguiram em passeata pela marginal da BR 101, até a Governadoria. Além da direção do Sinte-RN, Centrais Sindicais, representantes de outros Sindicatos, dos estudantes, o vereador George Câmara, o deputado Fernando Mineiro e um representante da deputada Fátima Bezerra, fizeram pronunciamentos de apoio.

Do Machadinho, os manifestantes seguiram em passeata pela marginal da BR 101, até a Governadoria. Estudantes, Educadores e Funcionários caminharam juntos e em tom de seriedade, cobraram negociação. A multidão falava palavras de ordens, destacando principalmente que a educação não é moeda de negócio. Os estudantes num gesto de cumplicidade gritavam: "O professor é meu amigo, mexeu com ele mexeu comigo".
A atividade teve caráter estadual. Todas as regionais e a maioria dos núcleos municipais do Sindicato enviaram caravanas com profissionais da educação e alunos. O coordenador geral do Sinte-RN, professor Rômulo Arnaud destacou a presença massiva das caravanas vindas de Mossoró e Região. “A categoria está respondendo com luta à decepção com esse governo”, avaliou.

Os manifestantes enfrentaram um sol escaldante na expectativa de conseguir uma audiência com a Governadora, mas nem ela, nem nenhum representante do Governo se dispuseram a dialogar com as lideranças dos trabalhadores.

Para a coordenadora geral do Sinte-RN, Fátima Cardoso, a ausência de resposta da Governadora é uma afronta à luta da categoria e ao clamor da sociedade em defesa da educação. “O Governo sabia que iríamos até lá. Ao invés de nos receber, deu o sinal de que está virando as costas para a educação. Todos fugiram para não enfrentarem os estudantes e profissionais da Educação”, denunciou Fátima.
No final, a direção do Sindicato conseguiu agendar uma audiência com o Chefe do Gabinete Civil, Paulo de Tarso. O encontro será realizado amanhã, às 10h, na Governadoria. A atividade foi encerrada com uma feijoada no pátio do Machadinho.

Fonte: Sinte/RN

E a merenda o que é? Só dois dedos de mingau! OPS acabou...



Minha gente, ontem me choquei em saber que a merenda da Creche Tia Alice (Janduís) foi dois dedinhos de mingau e para piorar a coisa, não deu para todos os alunos, as pessoas que trabalham lá tiveram que voltar nas primeiras salas em que a merenda foi distribuída para ver se algum aluno não tinha querido a merenda, para assim levar para os que não tinha recebido. ISSO É UMA VERGONHA!

E pergunto para os que governam essa cidade: ONDE ESTÁ A MERENDA DA CRECHE? Porque verba vem.

Sou educadora e sei que além do repasse do MEC através do PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) - que vocês podem ler aqui http://www.portaltransparencia.gov.br/aprendaMais/documentos/curso_PNAE.pdf
- o município ainda compra mais barato do "Compra Direta" (EMATER)

Acessando o portal do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) aqui http://www.fnde.gov.br/index.php/ae-funcionamento vocês podem ler como funciona a Execução da Merenda Escolar e lá lê-se em alguns parágrafos algo que me fomenta a perguntar pela Merenda da Creche, os parágrafos são os seguintes:

Alimentação Escolar
Programas - Alimentação Escolar
Funcionamento

Execução

Os recursos financeiros provêm do Tesouro Nacional e estão assegurados no Orçamento da União. O FNDE transfere a verba às entidades executoras (estados, Distrito Federal e municípios) em contas correntes específicas abertas pelo próprio FNDE, sem necessidade de celebração de convênio, ajuste, acordo, contrato ou qualquer outro instrumento.

As entidades executoras (EE) têm autonomia para administrar o dinheiro e compete a elas a complementação financeira para a melhoria do cardápio escolar, conforme estabelece a Constituição Federal.
disponível em http://www.fnde.gov.br/index.php/ae-funcionamento

Então diante disso. Por que os alunos da Creche Tia Alice não receberam a merenda adequada? Sabemos aqui que muitas dessas crianças tem como a principal base em sua alimentação diária a merenda da escola. O crescimento físico e o desenvolvimento intelectual depende desses nutrientes, além ser a antes de qualquer coisa, o prato de comida que mata a fome dessas crianças.

O objetivo desse post não é querer aparecer não, é fazer o que sempre foi um dos objetivos desse blog: protestar contra os abusos e os descasos com os recursos público e principalmente pelos direitos daqueles que mais precisam da educação, nossos alunos.

QUEREMOS EXPLICAÇÕES DE VOCÊS QUE FAZEM O PODER EXECUTIVO DESSA CIDADE.

QUEREMOS AÇÃO DE VOCÊS QUE "FAZEM" O LEGISLATIVOS DESSA CIDADE.
(Onde estão vocês senhores (a) vereadores de Janduís que não veem isso?) Sem generalizar, mas muitos de vocês são apenas vereadores de bancada, preenchendo uma cadeira na câmara que só é ocupada porque o bom salário precisa entrar na conta no fim do mês. Vamos ser menos demagogos e mais ativos, chega de ações fracas como mudar nome de rua, aprovar construção de praça (que diga se passagem estão se transformando em elefantes brancos) e de dar título de utilidade pública a "alguns" que não tem utilidade alguma. Vamos ser úteis e fazer valer o que vocês recebem?

QUEREMOS FISCALIZAÇÃO DE VOCÊS QUE FAZEM O JUDICIÁRIO DESSA CIDADE.

Janduís é Brasil e participa sim dos problemas que a educação desse país vem sofrendo! Não venham querer maquiar, como sempre vem tentando fazer aqui, tem quem veja e tem quem proteste. Não é só o Estado que está um caos!

“Queremos 10% do PIB e 50% do Pré-sal para a educação”

Por: CNTE, em 19-05-2011

A secretária geral da CNTE, professora Marta Vanelli, participou hoje do Seminário sobre o Plano Nacional de Educação 2011/2020, realizado no Conselho Nacional de Educação, em Brasília. O evento, que acontece hoje e amanhã, reuniu representantes da educação, como João de Oliveira, da ANPED (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação); Madalena Peixoto, da CONTEE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino); Aldo Vannucchi, da ABRUC (Associação Brasileira das Universidades Comunitárias) e Salomão Ximenes, da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Em seu discurso, Marta Vanelli afirmou que apenas fazer o PNE não é suficiente e que é preciso consolidá-lo. “Temos que discutir o PNE, mas não podemos esquecer que o Brasil não fez a tarefa de casa em relação à educação básica”, destacou. Ela também apresentou emendas aditivas e substitutivas ao texto do PNE, como o que inclui na meta 3 a relação aluno/professor na avaliação do custo-aluno-qualidade (caq), e ressaltou as exigências em relação ao financiamento para a educação pública. “Até 2016, 10% do PIB e a exigência dos 50% dos recursos do pré-sal para a educação”, finalizou.

Durante o Seminário, foi distribuída a mais recente publicação da CNTE, o Cadernos da Educação nº 24, com textos elaborados a partir do Seminário sobre o PNE: perspectivas, desafios e emendas dos (as) trabalhadores (as) em educação.

Fonte: CNTE, 19/05/11

Governo quer tapar o sol com a peneira

De acordo com os dados que a imprensa local tem mostrado, a Educação no Rio Grande do Norte apresenta um quadro de paralisação dos serviços de 44,4%. Esse, é um número divulgado pelo Governo na tentativa de desestabilizar o movimento grevista, que, na verdade, supera 90% de paralisação.

Para a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, essa é uma estratégia do Governo para confundir a opinião pública. “Eles querem diminuir o percentual de trabalhadores em greve para mascarar uma realidade que é óbvia? Como esse Governo irá reagir quando as demais categorias aderirem ao movimento? Isso causará mais descrédito, ainda, à atual gestão”, diz.

Fonte: Sinte/RN

Professores e policiais civis realizam protesto durante visita da governadora a Mossoró

Publicado em: O Mossoroense / Sábado, 21 de Maio de 2011 às 00:00 / Por: Redação

Insatisfeitos com o andamento das negociações com o governo do Estado, os professores da rede estadual de ensino e representantes da Polícia Civil organizaram um protesto com o objetivo de dialogarem diretamente com a governadora Rosalba Ciarlini. O protesto, que inicialmente seria realizado no centro da cidade, aconteceu durante as comemorações do aniversário de 25 anos do Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM).

Os servidores tiveram que aguardar por mais de duas horas pela chefe do Executivo estadual, já que a chegada de Rosalba ao hospital, prevista para as 16h30, e ocorreu somente às 18h45. Enaltecidos, os grevistas foram em direção à governadora com gritos de protesto.

"Trabalhador na rua, Rosalba a culpa é sua", era o principal hino entoado pelos servidores, que tiveram suas expectativas de diálogo com ela frustradas, após entrar imediatamente no Hospital, cercada por um forte de esquema de segurança. "Essa atitude da governadora só mostra que ela não tem consideração pela categoria. Até agora ela não demonstrou nenhum interesse na negociação", diz a professora Edna Marques. A afirmação de Edna não difere da fala dos demais professores que estiveram presentes à mobilização.

Para a educadora Edila Costa, a governadora se mostra intransigente. "Ninguém aguenta mais essa situação. Se pelo menos ela sentasse e conversasse diretamente com a categoria, propondo até um reajuste salarial a longo prazo, mas nem isso ela faz", desabafa. Cansados de esperar, os professores encerraram o protesto pouco tempo após a chegada de Rosalba ao Tarcísio Maia.
Representantes da Uern, com indicativo de greve para o dia 31 deste mês, também participaram do protesto. Além dos professores, a Polícia Civil, que decretou greve na última segunda-feira (16), também espera um posicionamento mais objetivo da governadora.

"A gente torce para que o governo se sensibilize, pois até agora ele tem se mostrado ditatorial, e quem mais paga com essa situação é a população carente, que está sem acesso à educação, à segurança etc... A greve é um movimento justo, um direito que nós temos", explica Erivan Fernandes, diretor de Comunicação do Sindicato dos Policiais Civis e Servidores da Segurança Pública do RN (Sinpol/RN).

Fonte: SINTE/RN

Governo com 1,03 bilhão em caixa e diz não ter dinheiro

O governo do RN ou está engolindo os sapos ou vai deixar pra engoli-los de uma só vez?

Segundo jornal NoMinuto as mobilizações grevistas no Estado só vão aumentar, veja na matéria a seguir http://bit.ly/lFzXxK

O que posso alerta a vocês amigos leitores é que a má vontade do atual governo em resolver a situação das categorias de servidores do nosso RN só vai deixar o governo em situação cada vez pior. Como o irá reajustar a folha de pagamentos de todos, inclusive aposentados? Bem, dinheiro tem, pois o estado do RN arrecadou no 1º quadrimestre 1,03 bilhão de reais, e desde que entrou no Governo a Governadora Rosalba Ciarlini vem "fazendo caixa" e indo mentir na mídia dizendo que está pagando as contas do Governo Wilma, acho que essa desculpa não cola mais. Ninguém deixa dívida no mercado com dinheiro no bolso não é governadora? Ou a senhora está faltando com a verdade ou é muito "velhaca" como dizia minha Vó.

Se a má vontade do governo em resolver a situação dos servidores não passar, a situação vai se agravar e pior ainda, a bola de neve, ou melhor de fogo, só vai inflamar e aumentar mais. Será que o Estado vai pra frente sem seus SERVIÇOS? Acho que não né!!

E a nossa greve continua e muitas outras começarão!

Governo do RN tenta maquiar greve

22/05/11

A seguinte manchete aparece no site do Governo do RN:

20 de maio de 2011, às 17h41min
Maioria das Escolas Estaduais está em pleno funcionamento

Por Assessoria da SEEC


Segundo a assessoria da SEEC a maioria das escolas do Estado estão em pleno funcionamento vejam a matéria aqui http://migre.me/4BTjB

O que percebe-se é que a SEEC e o Governo do RN estão tentando mascarar de todas as formas a GREVE da Educação do Estado que para todo o Brasil é algo evidente e conciso - após o discurso da professora Amanda Gurgel na Assembleia Legislativa do RN para discutir a situação da Educação - as reivindicações da greve são conhecidas em todo território nacional. Cada vez mais se torna vergonhoso a falta de respeito com os professores do RN, pois o fato de desconhecer a real situação de nossas escolas é um decaso abusivo para com a classe e também para com a sociedade norte-riograndense.

E digo mais, as escolas que funcionam nesse momento é porque estão repletas de contratados e estagiários, pois é assim que as escolas desse estado vem funcionando há muito tempo, no mais são alguns professores que se recusam a lutar por medo de represálias do governo e outros que já devem estar ganhando muito bem e não ligam para salários, talvez o salários desses seja pago por ETs, pois pelo governo do RN não é!

Que o Governo respeite e reconheça nossa luta, pois a sociedade já está fazendo isso!

E a greve continua!

Trabalhadores em Educação deliberam manutenção da Greve

A última assembleia dos Trabalhadores em Educação do Estado, realizada nessa quarta-feira (18), deliberou a permanência da greve no RN e definiu estratégias importantes para fortalecer o movimento. Vale lembrar que quase 100% da rede de ensino público do RN estão paralisados e a greve se manterá por tempo indeterminado. Trabalhadores, vindos em caravana de todas as partes do Estado, lotaram a Escola Estadual Winston Churchil para definir os próximos rumos da greve.

Durante a assembleia, os trabalhadores deliberaram alguns pontos com o objetivo de fortalecer a greve e atingir 100% de paralisação da rede de ensino. O primeiro deles é uma reunião com os representantes de toda a rede. O encontro será na próxima terça-feira (24), às 11h na sede do Sinte. Outro ponto importante é a realização de uma atividade em conjunto com outras categorias como as que integram o Sinai, o Sinpol, o Sindsaúde, além dos estudantes. Essa ação será realizada na próxima quinta-feira (26) no largo do Machadinho, a partir de 9h.
Além disso, serão veiculadas notas sobre a greve na TV e no rádio e uma nova assembleia será realizada no próximo dia 31. O encontro será na Escola Estadual Winston Churchill, às 8h30. Outra deliberação da assembleia foi a inclusão das reivindicações dos trabalhadores do IFESP à pauta geral do Sinte.
A pauta dos profissionais do IFESP é composta por: incorporação imediata da GTI ao salário base dos profissionais do Instituto; Direito a licença para estudo; Inclusão dos Profissionais na revisão do Plano de Carreira; Regularização da situação funcional desses trabalhadores. Com a integração das reivindicações dos Educadores do Instituto Kennedy à pauta atual do Sinte, a direção do Sindicato solicitará audiência à secretária de Educação do Estado, Betânia Ramalho, para discutir o assunto.

Após as deliberações da assembleia, os trabalhadores fizeram uma passeata até a Praça 7 de Setembro e realizaram um ato público na calçada da Assembleia Legislativa. Durante a mobilização nas ruas do centro da cidade, a categoria obteve o apoio dos deputados de oposição ao Governo. Na ocasião, os parlamentares estimularam as reivindicações dos trabalhadores e deram força ao discurso dos grevistas.

Fonte: Sinte/RN

Depoimento da Professora Amanda Gurgel

Visitando as redes sociais e informativos para me inteirar dos acontecimentos que envolvem a greve dos Professores do Estado do RN me deparei com o depoimento da professora Amanda Gurgel. Nele me coloco e através dele ela conseguiu resumir a angústia de toda uma classe de trabalhadores e toda a luta por qual estamos nessa greve. Faço minhas as palavras dela e acredito que os que dessa luta fazem parte também.

Depoimento http://www.youtube.com/watch?v=yFkt0O7lceA

E a Greve continua!

O Governo nada faz pela educação do Estado, a resposta à greve é o Silêncio

18/05/2011 Debate

Resposta do governo ao movimento grevista é o silêncio

Desde o início da Greve dos Trabalhadores em Educação do Estado, a governadora Rosalba Ciarlini evita discutir as reivindicações com a categoria. Sua resposta aos pedidos dos trabalhadores é o silêncio. Para a direção do Sinte, essa é apenas uma forma encontrada pela gestora para se eximir da sua responsabilidade.
Segundo a coordenadora geral do Sinte, que milita no movimento sindical desde 1979, a atitude da governadora é mais um entrave à resolução do impasse. “Ela silencia para não responder à população quanto é que o Estado investe nos trabalhadores que realizam o principal serviço a que a população tem direito. Mas esse silêncio não é uma boa estratégia. Ele irrita e instiga cada vez mais o movimento.”, disse

Discurso de Agripino é contrário ao verdadeiro papel do estado

O senador José Agripino afirmou que se o Governo atender às reivindicações do Sinte o Estado irá quebrar. Para quem participou das duras campanhas salariais feitas durante a gestão de Agripino, quando ele era governador do RN, não há espanto.
Para a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, o discurso do parlamentar é coerente com a sua ideologia e com sua concepção de Estado. Segundo a dirigente, José Agripino anda na contramão do real papel Estado, que é prover a população de acesso a direitos sociais.
“É absolutamente compreensível essa atitude do senador, principalmente se levarmos em consideração a sua visão de classe e de relacionamento com os conflitos. Esse discurso é ainda mais compreensível se considerarmos o conteúdo programático dos Democratas.”, disse a dirigente.


O para o Estado tudo? NADA

É isso companheiros e companheiras, essa é a posição dos políticos que aparecem aqui de quatro em quatro anos para pedir nossos votos, Rosalba silencia e Agripino diz que o Estado não pode pagar. O interessante é que se a governadora não se pronuncia diante da grande greve que se alastra cada vez mais em seu território de comando é porque não têm respostas a dar a população que tanto precisa do serviço dos educadores, e é porque a mesma quer jogar toda responsabilidade de Educar nesse Estado nas costas dos educadores e dessa forma jogar a população contra nós. O que quero que vocês entendam que esse comportamento dela não irá nos enfraquecer, só nos fortalecer, e queremos que quando vocês questionarem as atitudes grevistas de nós professores, tentem se colocar em nosso lugar, pois temos uma cargo horária de 25 horas em sala de aula e 5 para atividades extras semanais, ganhamos um salário base baixíssimo, ou seja, piso de R$ 664,00. As 25 horas em sala de aulas semanais cumprimos muito bem, mas vocês acham que 5 horas dá pra planejar, corrigir atividades e estudar para melhorarmos nosso desempenho em sala de aula? Acabamos trabalhando de graça pro Estado toda semana e recebendo no fim do mês um salário vergonhoso e o governo não querer pagar nem o Piso Nacional aprovado por lei? É inadmissível! Pois é amigos por isso a greve continua!!

E me admira o Senador José Agripino dizer que o Estado vai QUEBRAR se pagar aos professores, creio que não, o Estado só não tem dinheiro pra pagar àqueles que realmente trabalha? E o dinheiro investido para Copa de 2014? E os roubos nas licitações das obras do Estado? E o desperdício de recursos mal aplicados? Me admira muito um político que conhece e sabe a real situação dizer que pagar ao trabalhador que dá seu suor e lida direto com a população vai quebrar o Estado. É uma vergonha.

Lembrem-se deles dois, próximo ano estarão aqui pedindo seus votos para os vereadores e prefeitos que disputarão as eleições, e lembre-se uns são o espelho dos outros. Fica a Dica!

E a GREVE continua!!!

Leiam os Novos Rumos da Assembleia de Mossoró

18/05/11

Assembleia delibera novo calendário de atividades na Regional de Mossoró

A assembleia realizada em Mossoró nessa segunda-feira (16) culminou em uma mobilização em frente à Dired da região. A atividade foi realizada como protesto às possíveis retaliações que estão ocorrendo em escolas locais. O Sinte foi informado de que a Dired estaria colocando falta nos funcionários que aderiram à greve. A chefe da Diretoria, por sua vez, negou o fato.

Segundo o coordenador geral do Sinte, Rômulo Arnaud, a atividade contou com grande participação dos trabalhadores. “Esse ato teve a participação de mais de cem trabalhadores e trabalhadoras em Educação, além de ter ampla cobertura pela imprensa local.”, avalia. Da assembleia, realizada antes do Ato, foi deliberado o seguinte calendário de atividades para os próximos dias:

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES DE GREVE
Terça-feira (17) – aula cidadã, em frente às escolas Raimundo Gurgel e José nogueira da costa, às 7h. Durante a tarde será realizado Ato Público no município de Grossos;
Quarta-feira (18) – visita às Escolas
Quinta–feira (19) – aula cidadã, em frente às escolas 30 de Setembro e Maria Estela às 7h;
Sexta-feira (20) – Assembleia na Praça Felipe Guerra (parada final dos ônibus) às 15h30. Haverá recolhimento de donativos para os desabrigados por causa das enchentes;
Sábado (21) – Greve cidadã. A atividade será na Praça Rodolfo Fernandes (Praça do PAX). Haverá recolhimento de donativos para os desabrigados por causa das enchentes;
Domingo (22) – Panfletagem nas Igrejas
Segunda–feira (23) – Assembleia com funcionários de Escola (ASG, TED e TNS), às 8h na sede do Sinte na Avenida Abel Coelho S/N.


Fonte Sinte/RN

Sinte recebe apoio da população

16/05/2011 Greve

Em todo o RN não se fala em outra coisa senão na greve, já consolidada em toda a rede de ensino. “Os estudantes continuam a afirmar apoio à luta.”, disse a coordenadora do Sinte, Fátima Cardoso. A dirigente afirma que tem recebido apoio da sociedade por onde passa. “Até dentro de supermercados as pessoas se dirigem para darem sua força. E a pergunta de quem nos aborda é sempre a mesma: o governo ainda não apresentou proposta?”, disse.

Fonte: Sinte/RN

Secretaria tenta impedir mobilização do Sindicato



12/05/11

A direção do Sinte e representantes da base foram recebidos por policiais na Secretaria de Educação do Estado nesta quinta-feira (12). O Sindicato tinha a intenção de mobilizar os servidores da Secretaria e receber o seu apoio à greve. Para isso, informaram à SEEC que realizariam a atividade no local. Ao chegarem à Secretaria, às 7h, encontraram policiais em todos os setores numa clara intenção de impedir a mobilização.

Dia Nacional de Luta gera mobilizações em todo o Estado


O Dia Nacional de Luta no RN foi marcado por atividades em todo o Estado. Nos municípios de Baía Formosa, João Câmara e Lagoa Salgada a categoria realizou assembleia para definir os rumos da greve. Nísia Floresta e a Regional de Macau mobilizaram as redes estadual e municipal. Em cada uma dessas cidades as atividades de luta abrangeram as duas redes ao mesmo tempo.
Em Pau dos Ferros a rede municipal também está em greve. A paralisação iniciou na quarta-feira (11), e busca a implantação do Piso Nacional. Assim como em outros lugares, as atividades do dia foram realizadas pelas duas redes de ensino em conjunto. Apodi e a Regional de Assu também mobilizaram a categoria, que já está em greve.
Na capital do Estado, a direção do Sinte realizou um Ato Público na Praça Gentil Ferreira durante a tarde. A atividade teve continuidade com uma caminhada pelo comércio do Alecrim. Houve ainda reunião com o presidente da Câmara e lideranças partidárias.

Audiência fortalece luta dos Trabalhadores em Educação


11/05/11

A audiência que o Sinte teve com o Governo nessa terça-feira (10) serviu para o governo reafirmar que não irá responder aos anseios da categoria. Durante todo o processo de negociação, o Sindicato tem ressaltado o desejo de ver suas reivindicações serem atendidas por meio do diálogo com o Governo. “Não queremos queda de braço. Queremos apenas que o Estado dialogue conosco para juntos chegarmos a um acordo.”, afirma a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso.
Por outro lado, a sindicalista diz que o conflito, enquanto luta de classe, se mantém porque o Governo não se interessa em apresentar proposta à categoria. Reiterando a fala da coordenadora, a diretora do setor jurídico do Sinte, Vera Messias, afirma: “quando esse desinteresse ocorre, os trabalhadores naturalmente reagem.”. A diretora ressalta que o descontentamento se torna ainda maior pelo fato de haver lei nacional que versa sobre o Piso. “A insatisfação da categoria tem uma razão. O STF já publicou o acórdão e o governo ainda assim não atende às reivindicações.”.
Durante a audiência, a secretária de Educação, Betânia Ramalho, falou sobre o Piso Salarial e a Carreira do Magistério. “Com uma conceituação distorcida ela diz que o Estado estuda a forma de como e quando implantá-los.”, disse Fátima Cardoso. Segundo a dirigente o discurso da secretária possibilitou à categoria entender que haveria tentativa de implantar o Piso de R$890 para aqueles que ainda não o recebem. “Isso não representa sequer duas mil pessoas. Essa é, inclusive, uma forma piorada do que foi o teto salarial promovido por Vilma e Iberê.”, disse.

A coordenadora disse ainda que considera lamentável a postura do governo. “Esse deveria ser o momento para eles assumirem o dever de prover a educação, mas preferem deixar que o conflito se estenda. Isso permanecerá até eles compreenderem que os nossos professores têm o pior salário do país.”, ressaltou.
É importante lembrar que além das reivindicações do magistério, os demais Trabalhadores em Educação estão prejudicados pela falta de propostas do Governo do Estado. Segundo Fátima Cardoso, mais de quatro mil servidores da Educação ainda não receberam a primeira parcela do Plano, implantado em 2010. “Vou transformar minha decepção com o governo em mobilização junto à categoria e esclarecimentos à sociedade. Nossa luta permanecerá até que sejamos ouvidos de verdade pelo Governo.”, conclui a coordenadora.


Governo do Estado diz que não pode atender à categoria


“O Estado não tem como atender às reivindicações da categoria.”, foi a mensagem deixada pelo Governo durante a audiência que teve com o Sinte nessa terça-feira (10). A discussão contou com a participação de representantes da Casa Civil e das secretarias de Educação e de Planejamento do estado, além de representantes da base do sindicato acompanhando a direção.
Durante a audiência, o secretário-chefe da Casa Civil, Paulo de Tarso falou sobre a situação financeira do estado e criticou a gestão anterior. Segundo ele, o antigo governo foi irresponsável ao criar 14 Planos de Carreira sem fazer uma análise do impacto financeiro que isso causaria aos cofres públicos. “Tanto foi que em novembro do ano passado, eles não cumpriram o pagamento da primeira parcela dos referidos Planos.”, disse. O secretário afirmou ainda que não atenderá a outra categoria antes de resolver a situação do magistério.
Em resposta às justificativas dadas pelos representantes do Governo, a coordenada geral do Sinte, Fátima Cardoso, falou sobre o sentimento da categoria naquele instante. "O que ouvimos dos senhores nesta noite seria motivo suficiente para nos levantarmos e irmos embora. Mas ficaremos para dizer que desde 1979 participamos de mesas de negociação e nunca tínhamos recebido um não tão explícito como o que acabamos de escutar. No entanto, o conjunto da categoria seguirá firme e determinada.”, disse.

Outros dirigentes também aproveitaram a ocasião para externar a frustração causada na categoria pelo Governo. Para a coordenadora, esse sentimento, que se espalha entre os trabalhadores, representa mais um motivo para consolidar a greve e atingir 100% de paralisação no Estado.

Fonte: Sinte/RN

Parada Nacional da Educação



Nesta quarta-feira 11 de maio a CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) convoca todos os professores do Brasil a fazerem uma parada nacional em defesa do PNE (Piso Nacional da Educação) aprovado por lei e que muito governos estaduais e municipais ainda se recusam a pagar. Um desses governos é o do Estado do Rio Grande do Norte que tem a frente a então defensora da educação a Governadora Rosalba Ciarlini. Hoje os professores do Estado do RN além de não estarem o recebendo o Piso Nacional da Educação aprovado pelo Supremo, ainda tem um PCCR (Plano de Cargos Carreira e Remuneração) defasado diante dos demais profissionais de Nível Superior em nosso estado, essas são algumas reivindicações não atendidas pelo atual governo que levaram os profissionais da educação, principalmente professores a entrarem em greve no último dia 29 de abril.

Fica aqui o convite a todos os professores a também pararem amanhã e lutarmos juntos em busca da nossa valorização profissional. E saibamos que ser professor não é ser menor que um médico ou advogado, por exemplo, estudamos e nos especializamos como qualquer profissional e por isso merecemos respeito e dignidade, não deixe que nossa profissão seja apenas falsamente valorizada em propagandas de televisão, que essa valorização seja verdadeiramente reconhecida em nossa remuneração e que o profissional de educação, principalmente o professor, não precise fazer bicos pra poder sobreviver em um país como o Brasil que se auto-intitula país do futuro. O futuro de uma nação passa primeiro por uma educação de qualidade que proporcione respeito aos que nela trabalham e dos que dela precisam.

Trabalhadores em Educação realizam plenária em Natal e Regional de Mossoró realiza assembleia

09/05/11

Em plenária realizada nesta segunda-feira (9), os Trabalhadores em Educação do Estado traçaram novas estratégias da greve no RN. Durante o encontro, realizado na Escola Winston Churchill, foi provado mais uma vez o poder de mobilização da categoria: a plenária teve a participação de regionais de todo o Estado.

Para a direção do Sinte, essa é a representação do movimento grevista em todo o Estado, cuja média de adesão supera os 90%. Segundo o diretor de Administração e Finanças do Sinte, Assis Filho a adesão ao movimento tem crescido em todo o Estado. “A insatisfação está em toda parte. Na cidade da governadora, por exemplo, quase 100% das escolas estão em greve. Nos municípios circunvizinhos também há uma adesão em massa à greve.”, informou o dirigente.

Fonte: Sinte/RN

ASSEMBLEIA DA REGIONAL DO SINTE/RN EM MOSSORÓ

Hoje a tarde a regional de Mossoró realizará uma assembleia com os grevistas da região a partir das 14 horas. Janduís terá representação na assembleia, pois estarei indo a mesma participar da discussão e defender os direitos dos amigos professores que aderiram a greve em nossa cidade. Após o evento farei uma postagem aqui mesmo no blog informando o que foi discutido e direcionada no referido evento.

Vamos a Luta!

Governo publica nota sobre mobilização dos Educadores

09/05011

O Governo do Estado publicou uma nova nota sobre a Greve dos trabalhadores em Educação, nesse domingo (8). No texto, assinado pelos secretários da Casa Civil e de Educação, Paulo de Tarso e Betânia Ramalho, o Governo diz que está “reestruturando a Educação do Estado” e “construindo um novo projeto da Educação convivendo com a precariedade em várias escolas (herdada das gestões anteriores).”.

Para a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, o texto é mais uma tentativa de mascarar a realidade da Educação no RN. “Em lugar da nota, o Governo deveria explicar à população o porquê de a arrecadação ter aumentado - assim como o Fundeb - e, ainda assim, a Educação ser deixada de lado”, disse.

A nota ainda possibilita a interpretação de que a greve é programada e é responsável pela desilusão dos estudantes. Segundo o texto, a greve “mata as expectativas dos alunos e familiares em relação à construção de um futuro melhor”. Com isso, o governo tenta fugir da culpa por não possibilitar melhores condições de ensino aos alunos e de trabalho aos servidores e transfere a responsabilidade para os trabalhadores em Educação.

“A direção do Sinte repudia este tipo de insinuação. A verdade é que o Governo Rosalba não cumpre a lei. Nesse tempo, a atual gestão já deveria ter, pelo menos, pago o Piso Salarial e reduzido a jornada de sala de aula dos professores.”, afirma a dirigente. A redução da jornada à qual Fátima Cardoso se refere é a que diz respeito à decisão do Supremo Tribunal Federal. Ela modifica a jornada de 25 horas/aula, para 20 horas/aula e 10 horas para planejamento, estudo etc.
“O governo precisa ser mais responsável no que se refere às expectativas do aluno e à função social da escola. É preciso nos responder, por exemplo, por que falta professor em toda rede de ensino e assumir que isso não é apenas responsabilidade das gestões passadas.”, avalia a dirigente.

Fonte: Sinte/RN

Nota à população

Greve da educação

Em três meses, Governo Rosalba arrecada R$ 164 milhões a mais e diz que não tem dinheiro

Depois de quatro meses de conversas infrutíferas, os trabalhadores em educação decidiram entrar em greve para garantir seus direitos. O governo Rosalba admite esses direitos,mas jura que não tem dinheiro para honrá-los e pede 120 dias para estudar o caso.

Quanto ao argumento de não ter dinheiro. Toda sociedade sabe que essa é a desculpa de todo mal pagador. Segundo o Dieese, o Rio Grande do Norte arrecadou, só no primeiro trimestre deste ano, nada menos que R$ 776 milhões. Isso só com o ICMS! Nada menos que R$ 110 milhões a mais que a arrecadação do mesmo período do ano anterior.

Quer mais? O Rio Grande do Norte também recebeu mais dinheiro do FUNDEB este ano. Segundo dados oficiais, de janeiro a abril, o Governo Federal repassou quase R$ 200 milhões para o Estado. Precisamente R$ 54 milhões a mais que no ano anterior.
Quanto aos 120 dias de prazo pedidos pelo Governo, é bom traduzir a proposta para a realidade. Ao todo são mais quatro meses, o que remeteria a resposta às reivindicações lá para setembro deste ano. É bom lembrar que as obrigações administrativas deste governo se iniciaram em janeiro deste ano. Assim, o governo Rosalba quer 9 meses para dar respostas a reivindicações óbvias e justas! Uma gestação duvidosa sem nenhuma garantia de parto.

E depois disso, o Governo Rosalba ainda fala em “estar aberto a negociação”. Para o Sinte-RN, negociar é ir pra mesa com soluções concretas para que todas as partes saiam ganhando. Já para o Governo, negociar é passar horas em conversas infrutíferas sem respostas concretas ou avanços de qualquer tipo.
Não adianta o Governo tentar manipular a sociedade com informações falsas. A greve continuará até que os direitos adquiridos pelos trabalhadores em educação sejam respeitados e haja condições dignas de funcionamento das escolas.

Fonte: Sinte/RN

Sinte terá audiência com a Casa Civil

Após fazer plantão em frente à Governadoria, a direção do Sinte conseguiu marcar audiência com representantes da Casa Civil do Estado. O encontro será na próxima segunda-feira (9), às 15h e irá debater as reivindicações da categoria em greve. A mobilização dos dirigentes ocorreu nessa quinta-feira (5).

Segundo a diretora de Organização do Sinte, Janeayre Souto, o diálogo foi o principal meio utilizado para garantir a audiência. “Essa é a maior arma que temos nesse momento. Até porque não interessa ao sindicato a queda de braço com o governo.”, disse.

O diretor de Cultura do Sindicato, Anselmo Pamplona, reitera a importância do debate amistoso: “a busca pelo retorno desse diálogo mostra que a direção do Sindicato e os trabalhadores em educação estão sendo extremamente responsáveis.”.

Adesivo de parede do meu quarto







Uma novidade (pelo menos pra mim é) que está se tornando febre é decorar cômodos com adesivos. Você pode deixar sua casa mais agradável de forma barata e chique. Tenho vários modelos. As fotos são do adesivo de parede que eu fiz para o meu quarto. Quem se interessar é só me procurar.

Greve atinge quase todo o Estado

Do interior à capital a greve vai se consolidando. Em Natal, 85% dos trabalhadores em educação aderiram à mobilização. Mossoró e a regional de João Câmara têm 80% da categoria unida à luta. Esses números são seguidos pelos das demais regionais como a de Currais Novos (80%); as de Canguaretama e de Açu (75%, cada); e a de Umarizal (70%). Os números das demais regionais deverão ser contabilizados até este quinta-feira (5). O objetivo da direção do Sinte é que até a sexta-feira, 90% da rede estadual esteja paralisada.
Segundo a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, essa é uma alerta ao governo do Estado e uma demonstração da impaciência da categoria. A dirigente agradeceu, ainda, o apoio que os estudantes têm dado à mobilização. “Os estudantes sabem o quanto este Sindicato tem contribuído para a melhoria das Escolas e do Ensino Público.”, disse.

Fonte: Sinte/RN

Secretária de Educação afirma que não negocia em greve

Durante entrevista concedida ao Jornal Bom Dia RN, a secretária de Educação do estado, Betânia Leite Ramalho, afirmou o posicionamento do governo sobre a greve: não haverá negociação. Em nota publicada no Diário de Natal, o governo diz que a greve está acontecendo num momento inoportuno.
Para a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, “inoportuno é se pedir mais 120 dias para dar uma resposta”. Ela diz ainda que a categoria já teve muita paciência, principalmente ao comparar os trabalhadores em Educação com outras categorias como a dos médicos, que recepcionou o novo governo com paralisações.
“Os profissionais da Educação esperavam não só serem recebidos pelo governo. Eles esperavam que o governo apresentasse uma proposta para resgatar os salários dos professores no mesmo nível das tabelas salariais das outras categorias.”, disse a dirigente. Outro anseio da categoria,como lembra a sindicalista é o pagamento da primeira parcela do Plano de Carreira dos funcionários com efeito retroativo a janeiro.

Fonte: Sinte/RN

Regionais promovem paralisação em todo o Estado

05/05/2011 Greve

Regionais promovem paralisação em todo o Estado

As diretorias regionais do Sinte estão promovendo mobilização da categoria diariamente em todo o Estado. São assembleias, debates e suspensão de atividades. Na Regional de Caicó, das 14 escolas de Ensino Fundamental existentes, 13 aderiram à greve. Com isso, 90% dos trabalhadores estão paralisados. Na regional de Ceará Mirim não houve paralisação no Ensino Fundamental, mas de forma geral 90% de escolas também estão em greve. As regionais de Touros e de São Tomé também seguem fazendo o trabalho de paralisação. A expectativa da coordenadora Geral do Sinte, Fátima Cardoso é de que até esta sexta-feira (6) 90% da rede estadual esteja paralisada.

Fonte: Sinte/RN

Pauta de reivindicações é reafirmada pelo Sinte durante audiência

03/05/11

Durante a audiência que a direção do Sinte teve com a secretária de Educação do Estado, Betânia Ramalho, foi discutido o conteúdo do ofício enviado à SEEC e à Governadoria. O encontro foi realizado na tarde dessa segunda-feira (2).

A audiência foi iniciada pela coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, que fez uma síntese do conteúdo do documento. Na ocasião, foram reafirmadas as seguintes reivindicações:

Publicação do enquadramento dos funcionários da ativa e os aposentados;
Pagamento referente à primeira parcela do plano dos funcionários com efeito retroativo a janeiro deste ano tanto para os funcionários da ativa quanto para os aposentados;
Pagamento da segunda parcela do Plano de Carreira dos funcionários, em atraso desde março deste ano.

Em um segundo momento da audiência, foram discutidos:

Implementação da tabela salarial do magistério, na mesma proporção das outras categorias;
Continuidade do processo de tramitação do Projeto de Lei de Revisão do Plano de Carreira dos professores;
Encaminhamento do Projeto de Lei que modifica a lei de Gestão Democrática;
Instalação da mesa de negociação para tratar dos atrasado após a questão salarial da categoria ter sido resolvida;
Aplicação do terço de hora-atividade para os Educadores.

A secretária de Educação afirmou que deseja construir uma nova relação com o Sindicato e destacou a dificuldade que terá para negociar durante a greve. A gestora também criticou o fato de a greve ter iniciado sem tempo de apreciação de proposta e afirmou que o governo não tem condições de atender as reivindicações, portanto precisa de tempo. Fátima Cardoso ressaltou que a pauta foi entregue desde o mês de janeiro e o governo não levou em consideração os pontos relativos aos Planos de Carreira dos Funcionários e Professores.
Fim da Audiência

Ao final do encontro o Sinte solicitou à secretária uma nova audiência com foco nos dois Planos de Carreira. A resposta sobre data e horário deverá ser dada até a próxima sexta-feira (6).

Direção do Sinte reafirmou que a categoria está profundamente impaciente, pelas perdas salariais, principalmente quando são comparadas às tabelas de outras categorias. “Foi em razão dessa defasagem que a categoria deflagrou a greve”, disse a sindicalista.


Sinte mobiliza deputados em favor das reivindicações da categoria

Durante esta terça-feira (3), a categoria está em acampamento na Praça dos Três Poderes, em frente à Assembléia Legislativa. Além do diálogo com a população, a direção do Sinte visitará os gabinetes dos deputados munida de ofício solicitando reforço para as reivindicações da categoria. “Esperamos, realmente, o envolvimento dos deputados e deputadas nesse processo de negociação”, afirma a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso.

Fonte: sintern.org.br

Democracia ou Ditadura? Governo do Estado faz pressão para os professores e diz que não vai negociar com professores fora de sala de aula.


Professores amanheceram ontem na governadoria para entregar documento com reivindicações

O Governo do Estado não irá atender às reivindicações que motivaram a paralisação de professores e servidores iniciada ontem. A secretária estadual de Educação e Cultura, Betânia Ramalho, declarou que o Executivo não tem condições financeiras de satisfazer o pedido do sindicato, que luta pelo cumprimento do plano de carreira assim como do piso estabelecido nacionalmente. “A melhor saída é sentar para conversar, de modo que os alunos não saiam prejudicados”, disse a secretária.


Ontem à tarde, Batânia Ramalho recebeu representes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte/RN). Ela, mais uma vez, convidou os professores para a mesa de negociação, mas colocou uma condição: o Governo do Estado só negocia com a volta às aulas. A Seec havia requisitado através de nota um prazo de 120 dias para viabilizar a discussão e o cumprimento das leis trabalhistas; em assembléia, sindicato votou pela greve na sexta-feira passada.

Betânia recebeu em seu gabinete os representantes do protesto e se mostrou surpresa pelo caminho tomado. “Fiquei surpresa com a falta de boa vontade dos professores em decidirem pela greve. Enviei nota quarta-feira passada para discutir questões contraditórias e hoje [ontem] fui informada de tal decisão”, comentou a secretária, ressaltando que o momento é de sentar e construir saídas.

Ela, que considera justo os avanços alcançados pela categoria, chama atenção pela falta de discussão na aprovação do piso nacional dos professores. “Aprovaram a lei sem ser realizado um estudo de impacto e adequação orçamentária. Estamos recorrendo ao Ministério da Educação para tentar honrar o compromisso. Estamos enfrentando muitos problemas pela Lei de Responsabilidade Fiscal”. A Governadora Rosalba Ciarlini conseguiu agendar para amanhã uma reunião com o ministro Fernando Hadad para tratar desse tema.

Do outro lado, a coordenadora do Sinte/RN, Fátima Cardoso, esclarece a motivação da greve. “Queremos uma equiparação de salários pagos no âmbito estadual e que não é aplicado para profissionais da educação. Nossa prioridade é que se cumpra o plano de carreira”. Segundo ela, há uma defasagem em mais de 100% no pagamento dos profissionais de educação em comparação às demais áreas do Governo.

Cardoso exemplifica: profissionais formados chegam a receber R$ 2.550 de piso no Estado, enquanto os professores possuem um salário de R$ 937. A expectativa da coordenadora era de que a Seec apresentasse hoje uma proposta que leve em conta esse nível salarial.

Fátima conta que a situação se tornou insustentável depois que o Governo pediu mais 120 dias para negociar. “O pedido de prolongamento não foi visto com bons olhos e assembleia optou pela paralisação. Já havíamos passado 120 dias negociando e tivemos o bom senso de não começar o ano letivo em greve”.

A opção pela greve não encontrou apoio total dos profissionais da educação do Estado. Na tradicional escola Atheneu, localizada no bairro de Petrópolis, metade dos professores “furaram” a paralisação e prosseguiram normalmente com as aulas. A diretora da instituição, Marcelle de Lucena, afirmou que muitas outras escolas não estão demonstrando adesão ao movimento.

“Estamos reorganizando o horário para que os professores que não aderiram a greve possam vir dar as aulas”, contou Marcelle. Indagada sobre a sua posição quanto a opção pela greve, Fátima Cardoso desconversou. “O sindicato optou pela paralisação e vamos agora atrás desses direitos”.

Professores - Salários, em comparação com o Piso Nacional e Plano de Cargos

Professores - 30 horas

1 - Hoje no RN: R$ 664,00

2 - O que está previsto no: - Piso Nacional R$ 890,00 - Plano de Cargos e Salários –R$ 1.530,00

*informações da Secretaria de Educação/RN

Mais de 50 mil alunos não renovaram matrículas

Os profissionais de educação aproveitaram a oportunidade de discussão para comentar a decisão de fechamento de mais de 300 escolas por parte do Governo do Estado. Para a coordenadora do Sinte/RN, Fátima Cardoso, a atitude comprova a ausência de planejamento educacional.Segundo o sindicato, mais de 50 mil alunos não renovaram a matrícula na rede estadual este ano.

“É possível que alguma parte desse número tenha ido para a rede municipal. Mas boa parte representa abandono escolar”, disse Fátima. Ela esclarece que cabe ao Executivo combater essa tendência e começar a investir na modalidade profissionalizante aliada a educação de ensino médio.

A secretária estadual de educação, Betânia Ramalho, tentou rebater as constatações alegando que boa parte das escolas já estavam abandonadas e a sua assinatura apenas oficializou a extinção. “Os municípios ampliaram os serviços prestados e acabaram por esvaziar algumas escolas mais isoladas de algumas cidades. Mais de 200 instituições ainda estão sob análise”, declarou Ramalho.

Um total de 346 escolas já passaram ou estão passando por vistoria da secretaria para se optar ou não pela extinção. Já está tramitando o processo relativo a 76 instituições e mais 270 aguardam o início do procedimento. Sete unidades já foram extintas, sendo uma delas em Natal, Escola Estadual Professor Bartolomeu Fagundes. As demais ficam no interior, em cidades comom Martins, Bodó, Rafael Godeiro, Antônio Martins, Frutuoso Gomes e Umarizal.

Fonte: Tribuna do Norte

Notícias da GREVE

A Assembleia em Mossoró reafirma a decisão da Assembleia de Natal sobre a deflagração da GREVE, veja aqui http://www.sintern.org.br/noticias/visualizar/890

CALENDÁRIO DA REGIONAL DE MOSSORÓ:
02/05 - segunda-feira - Aula cidadã - Os educadores voltarão às escolas para explicar a comunidade escolar os motivos da greve
03/05 - terça-feira - Plenária do comando de greve "todos os educadores" na sede do Sinte, às 8h. Durante a tarde serão realizadas visitas aos meios de comunicação da cidade.
04/05 - quarta-feira - Reunião com os aposentados na sede do Sinte, às 15h
05 e 06/05 – quinta e sexta-feira - Visita aos municípios da regional
09/05 - Assembleia de avaliação, às 14h, na AABB e caminhada pelo Centro da Cidade para explicar à sociedade os motivos da greve.

______________________________________________________________

02/05/2011 Greve

Trabalhadores em Educação fazem concentração em frente à Governadoria

A direção do Sinte-RN e os Trabalhadores em Educação em greve estiveram concentrados em frente à Governadoria, na manhã desta segunda-feira (2). O objetivo da mobilização foi entregar ofício reiterando a pauta, entregue em 11 de janeiro, e comunicar a deflagração da greve.

A direção do Sindicato e alguns professores da base tiveram acesso à Governadoria. Eles protocolaram o ofício junto com um pedido de audiência com a Governadora. Em seguida, caminharam todos para a Secretaria de Educação, para entregar ofício com o mesmo teor e também para tentar uma audiência com a Secretaria de Educação. O Governo do Estado se comprometeu em dar uma resposta ao Sindicato até a manhã desta terça-feira.