ESCLARECENDO



Venho através desse post reafirmar que o objetivo desse blog não é atacar político A ou B e nem muito menos "puxar sardinha" para qualquer partido ou pessoa política que seja. Nem tão pouco é objetivo desse blog falar mal Família C ou D. Temos o espaço para comentários e democraticamente o espaço é aberto. Muitos fazem postagens anônimas, isso é opção de cada um. E como também é de direito, muitos dão sua resposta aos comentários em quem foram citados. Então para que o leitores se inteirem bem dos fatos, muitos dos comentário postados nem sempre se referem à POSTAGEM DO BLOG e sim a comentários ANÔNIMOS OU NÃO de leitores que fazem desse espaço, um espaço para expressar suas opiniões, sejam elas quais forem.

É um dos objetivos desse blog opinar criticamente frente aos mais variados assuntos: política, educação, cultura, sociedade e etc.

O espaço continua aberto, sejam bem vindos e voltem sempre!

Ê ÔÔU VIDA DE GADO...



...POVO MARCADO Ê, "POVO FELIZ" (Será?)

Começo minha nova postagem com a frase da música de Zé Ramalho (Admirável Gado Novo). Essa música me fazem lembrar das minhas aulas de História do Brasil quando estudávamos sobre Coronelismo e nesse assunto sempre aparecia um tópico chamado CURRAL ELEITORAL.

Curral eleitoral é uma expressão utilizada por historiadores brasileiros na República Velha que indicava uma região onde um político possuía grande influência, é bastante conhecido ou onde é muito bem votado.
A origem da expressão vem do tempo em que o voto era aberto no Brasil. Assim, os coronéis mandavam capangas para os locais de votação, com objetivo de intimidar os eleitores e ganhar votos. As regiões controladas politicamente pelos coronéis eram conhecidas como currais eleitorais. Nesses locais o coronel oferecia ao eleitor trabalho, dinheiro, moradia, para votar em seu candidato.


Vejo ainda hoje muita gente se prestando a esse papel, gente que troca seu voto por empregos de cargos comissionados e que não tem nenhuma qualificação para estar a frente de tais cargos públicos. Gente que por temor ou por pura bajulação e conveniência, desrespeitam as pessoas e a sociedade. E quando aparecem pessoas que têm um olhar crítico frente a assuntos como política, cultura e sociedade no geral e que expressam seus pontos de vista, elas acabam incomodando tais capachos e seus capatazes, pois as mesma não têm vendas nos olhos e sabem enxergar o mundo a sua volta.

Só digo uma coisa, quem nasceu para ser Gado Marcado à Ferro que coloque "seus coros" para queimar, porque nesse CURRAL ELEITORAL CORONELISTA de Janduís existem muitas novilhas desgarradas e espertas, existe um ADMIRÁVEL GADO NOVO que sabe o que é Democracia, Política, Ditadura e sabe usar o Senso Crítico. Ê VIDA DE GADO!

Assembleia decide pela continuidade da greve

27/06/11

Em assembleia realizada na tarde de hoje(27), os trabalhadores em educação decidiram pela continuidade da greve. A ideia agora é fortalecer a união com os demais servidores em greve para intensificar e dar mais fôlego ao movimento.

A categoria aprovou proposta da direção do Sindicato de realizar um grande ato público, no dia 06 de julho, unindo todos os servidores públicos que estejam ou não em greve.

No dia anterior(05), haverá mais uma assembleia de greve, as 8h na Escola Winston Churchill. Também ficou decidido que o Sindicato deverá veicular um cartaz de mídia externa como busdoor ou outdoor, denunciando o fato de a Governadora ter dinheiro e não honrar os compromissos com a educação.

A propaganda vai reforçar a campanha que já está sendo veiculada na televisão, em rádios do interior do estado, em carros de som, no programa e no portal do Sinte-RN.

Durante a assembleia a direção do Sindicato reforçou ainda a decisão de realizar o Congresso da categoria, em cumprimento à decisão judicial. O Congresso está previsto para ter início amanhã, a partir das 14h, no Mardunas Centro de Eventos em Nísia Floresta-RN

Fonte: Sinte/RN

A fogueira está queimando...



Bem a fogueira de São João queimou ontem e a de São Pedro está por vir, mas aqui em Janduís estão querendo queimar outra fogueira, a da Inquisição. Será que vão conseguir??

Para saber mais sobre Inquisição leiam aqui http://pt.wikipedia.org/wiki/Inquisi%C3%A7%C3%A3o

O condenado pelo Tribunal da Santa Inquisição tinha as prováveis penas: O condenado era muitas vezes responsabilizado por uma "crise da fé", pestes, terremotos, doenças e miséria social, sendo entregue às autoridades do Estado, para que fosse punido. As penas variavam desde confisco de bens e perda de liberdade, até a pena de morte, muitas vezes na fogueira, método que se tornou famoso, embora existissem outras formas de aplicar a pena.


Falar o que se pensa e ter opinião própria para muitos políticos e toda a sua gama de puxa-sacos daqui é quase como ser um herege para a igreja Católica da Idade Média. Mas só lembro uma coisa: a Idade Média já passou e por mais que queiram, as únicas fogueiras que irão queimar são as juninas!

MANGA com LEITE pode ser? PODE SIM!



Qual a diferença em saber criticar com fundamentação e criticar sem saber do que trata determinado assunto ou mesmo querer distorcer fatos e opiniões?

Veja o que diz a Wikipédia (enciclopédia virtual) sobre SENSO COMUM E SENSO CRÍTICO:

O senso comum está cercado de opiniões não conclusivas, não fundamentadas e isso podemos observar facilmente ocorrer em nosso cotidiano. Segundo o Dicionário Virtual Priberam, o conceito de senso comum é a “faculdade que a generalidade dos homens possui de raciocinar com acerto”, e o senso crítico como “faculdade de apreciar e julgar com ponderação e inteligência”.

Por essas concepções, já podemos observar que existe relação entre eles: enquanto no senso comum, eu raciocino com a possibilidade de acertar, no senso crítico eu sou mais analítico, ponderado e utilizo de raciocínio inteligente para chegar a uma conclusão. No senso comum, eu não preciso me submeter a uma experiência para chegar a conclusão de algo, mas sim, suposições.


Ou seja, no Senso Comum que a maioria das pessoas está praticando a quase todo momento, especula-se sobre determinado assunto, e na maioria das vezes sem fundamentação, com intuito de querer que sua opinião sem fundamento ou fomentação esteja CERTA. Já o Senso Crítico trata de opinar sobre determinado assunto de maneira fundamentada e fomentada, não se baseando em especulações (fofocas, comentários, disse-me-disse), sem tomar partido por A ou B e fazendo uma crítica inteligente.

Para a maioria das pessoas a palavra CRÍTICA já soa negativamente (já por fazerem o julgamento com senso comum), mas o que a maioria não sabe é que as pessoas que têm capacidade de criticar inteligentemente e de forma ética podem estar fazendo uma crítica construtiva, aquela em que se apontam os erros de maneira fundamentada e não baseado em especulações. E essa crítica pode ser usada como ponto de partida para perceber determinados erros e daí tentar melhorá-los. No entanto, são poucas as pessoas que têm essa capacidade de usar o seu Senso Crítico. “Pra que ir atrás de saber se é verdade? Se tem fundamento? Tá todo mundo falando que é assim mesmo!” usar o Senso Comum para a maioria é algo bem mais fácil. Ser inteligente e se esforçar para criticar ou especular algo de forma fundamentada não é pra qualquer pessoa! E geralmente as pessoas que têm essa capacidade de usar o Senso Crítico dentro de uma determinada sociedade acabam aparecendo para aqueles que só usam o seu pobre Senso Comum como sendo pessoas que querem aparecer, fazer acontecer...

Culpa dos meus pais (graças a Deus) que me ensinaram que estudar é o caminho! E esforço notório dos que não jogam fora as suas ricas inteligências com bobagens e nem buscam se ancorar a pessoas vazias, sem conteúdo, egoístas e que querem que a grande maioria continue burra e só usando o Senso Comum para avaliar o que acontece na sociedade.

Se eu sei te criticar e você não gosta... fazer o que né?! Ser inteligente e ter criticidade aguçada é algo que sua mesquinharia peculiar não irá tirar de mim nunca! Por isso que adoro vitamina de maga com leite, porque acreditar em algo colocado pela elite oligárquica brasileira no tempo da escravatura, só para os escravos não tomarem o leite que era caro na época, fica pra quem não tem poder de ir buscar fundamentação e será sempre dominado por quem diz ter poder nessa sociedade!

Assembleia decide pela continuidade da greve



21/06/11

Em assembleia realizada na manhã desta terça-feira(21) a categoria decidiu pela continuidade da greve da educação. Até o momento não houve nenhuma proposta nova às reivindicações da categoria.

A Assembleia teve acesso a um impresso do governo com uma releitura da única proposta apresentada até agora. Para a diretoria do Sinte-RN trata-se da velha proposta com nova roupagem.

A capa do panfleto anuncia um aumento de 34% salarial para os professores.
No entanto, o anuncio governamental esconde que o aumento, depois de seis meses, é zero e zero também é o aumento previsto para agosto. A atenção dada à reivindicação de reformulação do plano de carreira do magistério também é zero. Bem como, zero é nível de confiança de que em dezembro os professores receberão o que está sendo prometido agora.

Como se tudo isso não bastasse, é ainda zero a resposta dada às reivindicações dos funcionários da educação.

Essa realidade levou a categoria a decidir pela continuação e intensificação do movimento de greve.

Fonte: Sinte/RN

CNE aprova Jornada Nacional para a educação avançar

20/06/11

Por: CNTE, em 17 de junho de 2011

A CNTE iniciará no dia 6 de julho– como parte das atividades do dia nacional de luta da CUT – uma jornada nacional pela implementação do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN) associado à carreira e pela aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE). A proposta foi aprovada em reunião do Conselho Nacional de Entidades (CNE) nesta sexta-feira em Brasília. O lançamento da Jornada Nacional com mobilizações e paralisação dos estados e municípios marca o calendário de atividades a serem desenvolvidas pela entidade no segundo semestre.

Os sindicatos deverão organizar paralisações com manifestações e atos públicos no dia 6 de julho, reforçando a atual pauta de luta da Confederação: implementar o PSPN aplicado à carreira em todos os estados e municípios brasileiros e aprovar o PNE, contemplando os interesses da classe trabalhadora e da sociedade.

Essa foi a primeira reunião do Conselho Nacional de Entidades após o STF ter julgado a Lei do Piso constitucional. Os representantes das entidades apresentaram as dificuldades enfrentadas em seus estados para garantir o cumprimento da lei, uma vez que os gestores estão protelando o pagamento do valor do piso como vencimento inicial de carreira, sob a alegação de que não saiu o acórdão do STF.
Para a CNTE o valor do piso é R$ 1597,87

O presidente das CNTE, Roberto Leão, disse que é preciso continuar a luta política pela implementação do piso e, para tanto, será deflagrada uma campanha nacional no mês de agosto com esse objetivo. Leão reforçou que a CNTE orienta as suas entidades filiadas que lutam pela implantação do PSPN, que o processo de negociação com os governos inicie com o valor defendido pela Confederação, que é de R$ 1.597,87 como vencimento inicial na carreira.

A CNTE também reivindica o cumprimento integral da lei com 1/3 da jornada destinada para a hora atividade. O valor do Piso deve ser aplicado para as jornadas de trabalho que estão instituídas nos planos de carreira de estados e municípios.

CNTE, 17/06/11)

Governo quer revogar os Planos de Carreira dos Trabalhadores

13/06/11

O secretário-chefe da Casa Civil, Paulo de Tarso, anunciou que a governadora Rosalba Ciarlini pedirá a revogação dos Planos de Carreira dos servidores da Administração Direta e da Indireta. De acordo com o secretário, o governo considera as leis dos Planos aprovados em 2010 inconstitucionais. Ele diz, ainda, que os PCCRs não tiveram previsão orçamentária para viabilizar sua execução.

Para a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, o Governo tem deixado a população confusa com as informações distorcidas que passa. “O governo diz à população que vai dar um golpe, quando fala dessa revogação e, ao mesmo tempo, sinaliza que criará novos Planos de acordo com a saúde financeira do Estado. O silêncio do Governo durante todo esse tempo era apenas um sinal de ataque aos servidores públicos do RN.”, disse.

A dirigente reafirma, ainda, a necessidade de união da categoria e a intensificação da luta para os trabalhadores alcançarem suas reivindicações. “O Governo já disse que não cederá às nossas pressões e aproveitou para qualificar a luta dos trabalhadores como uma algazarra. É por isso que a luta continua. Até que sejamos respeitados e tivermos nossos direitos de trabalhadores garantidos nos manteremos mobilizados.”, afirmou, a dirigente.

Fonte: Sinte/RN

Enquanto o Governo gasta com festa, os servidores dançam






10/06/2011 Mossoró

Regional do Sinte realiza Ato Político e Cultural

Os trabalhadores em Educação da Regional do Sinte em Mossoró realizaram um Ato Político e Cultural da greve nessa quinta-feira (9). O evento, chamado pela categoria de Cortejo junino da greve, aconteceu na Estação das Artes e teve como tema "Enquanto o Governo gasta com festa, os servidores dançam".

O Ato teve grande participação da categoria além de servidores, professores e estudantes da UERN e servidores da base do Sinai. O movimento começou com uma concentração no Sindiserpum, às 19h30.

O coordenador geral do Sindicato, Rômulo Arnaud, avaliou a mobilização como positiva e bem participativa. "Fizemos um movimento pacífico e ordeiro, mas com muita disposição de mostrar para a sociedade a falta de compromisso do Governo Rosalba para com os servidores e o bom serviço público.", afirmou o dirigente. O cortejo foi aplaudido de pé por onde passou.

Sinte busca negociação

10/06/11

O GOVERNO RESPONDE COM SILÊNCIO

A direção do Sinte foi às secretarias de Educação, de Administração e à Casa Civil do Estado em busca de uma audiência antes da próxima assembleia da categoria. A visita foi feita nessa quinta-feira (9), mas não houve resposta por parte do Governo.

A coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, disse que isso não desanimará os trabalhadores e a sua luta. Ela destacou: “a poupança do estado se mantém a custa do arrocho salarial do servidor público. As prioridades estão invertidas. Não iremos voltar para a sala de aula, portanto, enquanto esse impasse não tiver sido resolvido.”, disse.

Além da coordenadora, as dirigentes Vicência Arimateia e Vera Messias estiveram nas secretarias à procura de respostas.

FONTE: SINTE/RN

Moção de apoio aos Trabalhadores em Educação do Rio Grande do Norte

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, entidade representativa de mais de 2,5 milhões de profissionais da educação básica pública no Brasil, à qual o SINTE - Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública do Rio Grande do Norte é afiliado, vem a público manifestar seu irrestrito APOIO à greve dos educadores no Estado, iniciada há mais de 30 dias, por entender que a luta pelo Piso Salarial Nacional do Magistério, por melhores condições de trabalho e pela qualidade social da educação pública é legítima.

Para a CNTE, somente mobilizados e organizados, os/as trabalhadores/as em educação poderão construir uma escola pública gratuita e de qualidade para todos e em todos os níveis e modalidades de ensino. A deflagração de greve é o último recurso usado na luta por melhores condições de trabalho.

Neste sentido, a Confederação espera que a senhora Governadora Rosalba Ciarlini reabra o canal negociação, reconhecendo, na prática, o direito constitucional à livre associação sindical e, consequentemente, o direito de negociar as suas condições de trabalho e perspectivas de carreira para o funcionamento permanente da educação pública.

Assim, a CNTE espera que seja encaminhada, com urgência, uma proposta concreta para as reivindicações da categoria, uma vez que a Lei do Piso Salarial Nacional do Magistério é uma conquista, não somente para os trabalhadores em educação, mas também para a sociedade brasileira, uma vez que a valorização do educador reflete na melhoria da qualidade da educação.

Brasília (DF), 7 de junho de 2011

Roberto Franklin de Leão
Presidente

fonte: Sinte/RN

Sindicato envia ofício ao Governo

08/06/11

A direção do Sinte enviou ofício ao Governo apresentando as deliberações da categoria na última assembleia e reafirmando a pauta de reivindicação. O documento foi entregue nessa segunda-feira (6) e priorizou a revisão do Plano de Carreira do magistério e o pagamento do PCCR aos demais servidores da Educação.

O Sindicato insiste em manter o diálogo com o Governo porque a proposta apresentada pelo Estado não atende satisfatoriamente aos pedidos da categoria. Para a coordenadora geral do Sinte, Fátima Cardoso, o maior problema na proposta feita pelo governo é que a correção salarial só beneficiará a todo o magistério em dezembro. Além disso, o Governo ainda não disse o que fará para pagar os valores reivindicados pelos profissionais.

Fonte: SINTE/RN

Assembleia decide por manutenção da Greve e faz outras deliberações

A assembleia realizada na última sexta-feira (3) pelos Trabalhadores em educação da rede estadual deliberou a manutenção da Greve. A Diretoria do Sinte reconhece alguns avanços na luta, mas a proposta feita pelo Governo ainda não é suficiente para o magistério e é omissa com os demais funcionários.

Além de manter a Greve, a categoria decidiu:

- Convidar outros sindicatos para realizar ações conjuntas e fortalecer o movimento;
- Retornar às escolas nesta segunda-feira (6) e organizar a levada da categoria em ônibus para o Ato que será realizado nesta terça-feira (7);
- Veicular nota na TV mobilizando a sociedade a participar do Ato desta terça-feira;
- Veicular VT sobre a greve;
- Incluir na pauta de reivindicações as licenças especiais.

Fonte: Sinte/RN

Professores rejeitam proposta do governo e decidem manter a greve

03/06/11

Os professores rejeitaram a proposta apresentada pelo Governo do Estado e, em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira, decidiram continuar a greve da categoria, que já dura um mês.

Em reunião na tarde de ontem com representantes do Sindicatos dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte (Sinte-RN), o secretário-chefe do Gabinete Civil, Paulo de Tarso Fernandes, anunciou implantação do piso nacional de R$ 890,00, a partir de junho, para jornada de 30 horas semanais, no nível médio e a incorporação do Piso Nacional ao Plano de Cargos e Remunerações, parcelada em quatro vezes, a partir de setembro.

Fonte: No Minuto

NEGOCIAÇÃO

A paralisação dos professores da rede estadual de ensino, que completa um mês, começa a dar os primeiros resultados. Em audiência realizada na tarde de ontem, no gabinete da Casa Civil, com o secretário da casa civil Paulo de Tarso e representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sinte/RN), o governo anunciou a implantação do piso nacional de R$ 890,00, a partir de junho. A proposta foi considerada um avanço pela categoria, que aguarda ainda o encaminhamento de outros pontos, para decidir em assembleia hoje, os rumos da paralisação.

Reunião com o Sindicato da Administração Indireta não caminhou. Governo não apresentou proposta real sobre Plano de CargosConsiderando o julgamento pelo STJ da constitucionalidade da Lei do Piso Salarial (Lei 11.738/08), o Piso Nacional será cumprido de imediato. A partir do mês de junho, o reajuste será dado para os profissionais do magistério que recebem salário inferior a R$ 890,00 – cerca de 2 mil professores - para jornada 30 horas semanais, no nível médio. Para os demais, o reajuste será escalonado de setembro a dezembro desse ano. Para isto, será necessário editar uma nova Lei Estadual com a nova tabela salarial.

"Por reconhecimento a lei do piso nacional aplicado ao plano de carreira, tivemos a primeira proposta sólida do governo", disse por telefone a coordenadora geral do Sinte Fátima Cardoso. De acordo com o Sindicato, o salário de um professor em início de carreira, é de R$ 739,00. O "complicador" na proposta, segundo Fátima Cardoso, é o prazo dado para os professores com salários acima desse valor.

A categoria reivindica ainda a tabela salarial que traz equivalência com profissionais da administração direta e administração indireta. Além da fixação de data para pagamento da primeira parcela do PCCS de 4.164 professores, em atraso desde janeiro, e a revisão dos pontos de carreira que estão paralisado, desde o ano passado. "Com o documento em mãos é que teremos uma definição", disse a coordenadora. A assembleia geral, será às 14h30, na Escola Estadual Winston Churchill.

A secretária Betânia Ramalho ressaltou que em decorrência da aplicação do piso nacional no Plano de Carreira, ao final da implantação, o reajuste médio na rede estadual de ensino será de 34%. "Em 2007, 2008 e 2009 os professores fizeram greve e tiveram 0% de reajuste. Ano passado, resultou em 7,15%. E este ano daremos 34% de reajuste médio. Nenhum professor ganhará menos que o piso". Quanto os professores temporários e horas suplementares, a secretária disse está saldando os débitos de 2010 e regularizando, até junho, em conjunto com o pagamento da folha estadual e com o pagamento dos estagiários, o referente a 2011.

A professora Betânia Ramalho lamentou o poder que a greve tem de interromper o ano letivo e impedir o acesso do aluno, principalmente aquele carente que busca sua ascenção social através da Educação e tem esse direito assegurado em lei tolhido. "Uma condição essencial para que se concretize a qualidade do ensino é o efetivo cumprimento dos 200 dias letivos, representando 800 horas de sala de aula". A SEEC fará cumprir, de imediato, um plano de reposição de aulas.

Fonte: Tribuna do Norte
______________________________

Interessante como a Secretária Betânia Ramalho sempre tenta ressaltar em suas palavras "uma culpa" direta para os professores. Importante que todos saibam que se nós não tivéssemos entrado em greve, jamais receberíamos coisa alguma e digo mais, não gostei desse prazo de pagar o PISO aos professores de nível superior a partir de setembro, por mim a greve continua, como diz Amanda Gurgel, "minhas necessidades são imediatas"

Governo do Estado descumpre lei de investimento na Educação

01/06/11

Pela segunda vez consecutiva, o estado do RN deixa de investir no magistério o valor mínimo que a Lei prevê, ou seja, 60% do Fundeb. Além disso, os 25% provenientes de suas arrecadações, que deveriam ser utilizados na Educação, não foram aplicados ainda.

Para a coordenadora geral do Sinte,Fátima Cardoso, as atitudes que o Governo tem tomado, demonstram falta de respeito com a educação e o descumprimento claro de direitos garantidos constitucionalmente à sociedade.

“Ainda não recorremos judicialmente. Contudo essa medida não está descartada. Somos a favor do cumprimento da lei sem haver a necessidade de uso de instrumentos e ações mais fortes pelo descaso do governo.”, disse a coordenadora.

Para o diretor de comunicação do Sindicato, Ionaldo Tomaz, a categoria aguarda uma resposta urgente do Governo às suas reivindicações. “Queremos a restituição dos serviços da educação para a população. Mas queremos também ter qualidade nesses serviços. As escolas precisam ser recuperadas, precisam de laboratórios e de pessoal qualificado para oferecer aos alunos um ensino produtivo e de acordo com as demandas da atualidade.”, afirmou o dirigente.

Fonte: Sinte/RN

Direção do SINTE desmente discurso do governo do estado

01/06/2011

De acordo com site do governo do estado nos meses de janeiro e fevereiro tinha que empregar no mínimo 60% do FUNDEB na remuneração do magistério com ensino fundamental e médio, no entanto o governo só empregou 57,44%. Já com as deduções consideradas para fins de limite constitucional de aplicação mínima em MDE (Manutenção e Desenvolvimento de Ensino), o governo do RN deve aplicar no mínimo de 25% das receitas resultantes de Impostos em MDE, no entanto o governo só empregou 22,78%.

Nos meses de março e abril o governo tinha que empregar no mínimo 60% do FUNDEB na remuneração do magistério com ensino fundamental e médio, no entanto o governo só empregou 57,38%. Já com as deduções consideradas para fins de limite constitucional de aplicação mínima em MDE (Manutenção e Desenvolvimento de Ensino), o governo do RN deve aplicar no mínimo de 25% das receitas resultantes de Impostos em MDE, no entanto o governo só empregou 23,86%.

Para Janeayre Souto, diretora de organização do SINTE, com a redução da LRF para 48,61%, o governo do estado deve ter responsabilidade e negociar com os trabalhadores em educação. O que não podemos aceitar é que a governadora faça caixa com o salario dos servidores.

É pelo visto, o governo da Rosa é um governo Fora da Lei!.

Negociação Já! Antes da Rosa virar cravo.

Fonte:Sinte/RN